Cachaça de Paraty é produzida do mesmo jeito desde o século 18 – UOL

Chove em Paraty. Mesmo assim, Maria Izabel Gibrail Costa, 61, prefere andar descalça. “Só uso sapato para viajar. Por isso, não viajo muito.” Maria Izabel é uma personagem conhecida na cidade. Nasceu em Paraty, assim como os pais e as seis filhas. Cresceu numa fazenda, ouvindo histórias dos antepassados, que chegaram aqui no século 18 e ficaram famosos produzindo cachaça.

“Ainda me emociono muito quando vejo os casarões de Paraty.” Desde 1994, Maria Izabel produz a cachaça que leva seu nome, uma das melhores da região. Sua produção é pequena ­cerca de 7.000 litros por ano­ e feita com as mesmas técnicas de seus antepassados. “Somos a única cachaçaria que ainda produz o próprio fermento, como se fazia antigamente”, diz.

Maria Izabel vive e trabalha no sítio Santo Antônio, uma linda propriedade à beira­mar, a 5 km da cidade. Lá fica a plantação de cana e o alambique. Diz que só usa a própria cana ou a de propriedades próximas para poder cortá­la e moê­la no mesmo dia, evitando a acidez. O alambique produz duas cachaças, a normal e a azulada, esta destilada com a folha da tangerina.

A bebida fica guardada em tonéis de jequitibá, que não interferem no aroma, e em barris de carvalho, que deixam a cachaça amarelada e, segundo Maria Izabel, “marcam” o sabor. Ela sabe que seu produto é o mais caro da região. “Nossa cachaça custa caro porque a produção é cara”, diz. “É muito mais dispendioso plantar cana do que comprá­la de Caçapava, por exemplo. E nossa plantação fica num morro, por isso não uso máquinas. A colheita é manual, feita com enxada.”

Os maiores consumidores da cachaça Maria Izabel são comerciantes da própria cidade de Paraty. Além deles, alguns turistas visitam o alambique para degustações e sempre levam garrafas. BOCA A BOCA A empresária não pensa em crescer mais:

“Aqui, trabalhamos só eu e três funcionários. Está bom assim”. A divulgação da cachaça é feita no boca a boca, assim como as visitas ao alambique. Não há nem sequer uma placa na estrada informando a localização do sítio. “Não quero ficar exposta. Afinal, eu moro aqui”, afirma.

Ela mora com a filha, Maia, 18, portadora da síndrome de Down. As duas vão à cidade quase todos os dias para sessões de fonoterapia. Será que alguma das filhas pretende continuar a tradição da cachaça Maria Izabel depois que a mãe se aposentar? “Não penso nisso. Se não quiserem, tudo bem.”

ANDRÉ BARCINSKI DE PARATY (RJ)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *